Pular para o conteúdo principal

Postagens

Mostrando postagens de Abril, 2010

Edição 317 | Ano II

Brasília / DF
Meirelles compara crise grega às dificuldades já enfrentadas pelo Brasil
O presidente do Banco Central, Henrique Meirelles, comparou os problemas financeiros enfrentados atualmente pela Grécia e outros países europeus às dificuldades que o próprio Brasil já viveu no passado. "Esses países estavam com endividamento crescente em momentos de grande liquidez e agora, por um processo de contração da liquidez, enfrentam dificuldade de financiamento. Nada diferente do que o Brasil passou algumas vezes no passado", disse Meirelles em evento em São Paulo, lembrando que o país já teve que recorrer ao FMI (Fundo Mo) em outros momentos de sua história. Questionado se a crise na zona do euro poderia afetar o Brasil de alguma maneira, disse que o país já se mostrou bem preparado para enfrentar a crise global em 2008. "[Esse preparo] aumentou depois da crise, seja porque temos mais, seja porque o nível de confiança de empresários e consumidores é maior". Para o presid…

Edição 316 | Ano II

Brasília / DF
BC inicia novo ciclo de aperto e aumenta juros para 9,5% ao ano
O Copom - Conselho de Política Monetária - decidiu aumentar a taxa básica de juros (Selic) para 9,5% ao ano. A alta de 0,75 ponto percentual já era esperada por parte do mercado financeiro, mas a maioria dos economistas apostava em alta de 0,50 ponto percentual. É a primeira alta de juros desde setembro de 2008, dias antes da quebra do banco norte-americano Lehman Brothers, em 15 de setembro daquele ano, estopim da crise financeira internacional. A decisão foi criticada pela indústria, comércio e centrais sindicais. "Dando segmento ao processo de ajuste das condições monetárias ao cenário prospectivo da economia, para assegurar a convergência da inflação à trajetória de metas, o Copom decidiu, por unanimidade, elevar a taxa Selic para 9,5% ao ano sem viés", informou nota do BC. Nas últimas cinco reuniões, o Copom havia mantido a Selic inalterada em 8,75% a.a. Na última reunião em março, porém, o cons…